Opções binárias portugal cmvm 5

Opções binárias portugal cmvm.


Para efectuar a subscrição é necessário iniciar a sessão.


Ligue-se por rede social:


Ou insira as suas credenciais:


Não tem o seu perfil no ECO? Faça aqui o registo.


Fale connosco [email protected].


Torne-se premium.


Uma visão económica e política do país e do mundo. Exclusiva. Com assinatura. Só os membros desta comunidade têm acesso. Para decidir de forma informada, e antes dos outros. Não queremos assinantes, queremos membros ativos da comunidade.


Escolha a sua assinatura.


Fundo do Bahrain negoceia compra do AC Milan por 1.000 milhões de euros.


Lusa 18 Abril 2022.


O fundo de investimento Investcorp, com sede em Manama, no Bahrain, está a negociar a compra do clube italiano AC Milan, num negócio avaliado em 1.000 milhões de euros.


O fundo de investimento Investcorp, com sede em Manama, no Bahrain, está a negociar a compra do clube italiano AC Milan, num negócio avaliado em 1.000 milhões de euros, avançou esta segunda-feira a embaixada do Bahrain no Reino Unido.


“ A Investcorp, gestora de ativos baseada no Bahrain, iniciou conversações exclusivas para comprar o clube italiano AC Milan, da Serie A, por um valor de 1,1 mil milhões de dólares (1.000 milhões de euros)”, informou em comunicado a entidade.


A negociação decorre com o fundo ‘Elliot Management’, cujo proprietário é o norte-americano Paul Elliot Singer, e o objetivo do fundo árabe é manter a linha de trabalho que tem sido feito pelo diretor técnico Paolo Maldini, uma ‘lenda viva’ dos ‘rossoneri’.


Segundo o jornal italiano La Gazzetta dello Sport , a Investcorp pretende que o AC Milan volte à elite do futebol europeu, criando condições para que lute pela conquista da Liga dos Campeões e pelo ‘scudetto’, que lhe escapa desde 2011.


Para tal, o fundo árabe vai disponibilizar 300 milhões de euros para o mercado de transferências do verão , adiantou o desportivo transalpino.


O AC Milan está também em negociações com a Câmara Municipal de Milão para a construção do novo San Siro, e a intenção da Investcorp é manter em andamento o projeto, podendo injetar mais capital de forma a engrandecer a futura casa dos milaneses.


Os media italianos realçam que há condições para que o negócio fique fechado ainda durante o mês de abril.


Assine o ECO Premium.


No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.


De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.


Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.


Últimas.


20:23 Maria Manuel Cruz assume presidência da Câmara de Espinho 20:02 Mais de 40% dos bancos afasta subir juros dos depósitos 19:41 Entrevista Famalicão atinge mais de 2 mil milhões de euros em exportações 19:33 A reação dos partidos ao novo questionário 19:20 Suécia tem maior depósito de metais de terras raras da UE 19:14 Ministra alemã exclui entrega de tanques Leopard a Kiev 19:05 Empresas interessadas na semana de quatro dias duplicam 18:54 Vendas da Jerónimo Martins disparam 21,5% 18:35 ECI oferece 93 bolsas de estudo a filhos de colaboradores 18:26 Leroy Merlin atribui 1,5 milhões para apoiar refugiados.


Populares.


8 Janeiro 2023.


9 Janeiro 2023.


9 Janeiro 2023.


10 Janeiro 2023.


10 Janeiro 2023.


10 Janeiro 2023.


Banco BPM compra a parte da Covéa em negócio conjunto de seguros.


ECO Seguros 18 Abril 2022.


Anunciada a transação, parece abrir-se corrida pela compra do negócio segurador do 3º maior banco italiano. Crédit Agricole e AXA são apontados como potenciais interessados.


O Banco BPM , entidade nascida em 2022 da fusão entre Banco Popolare e o Banca Popolare di Milano, exerceu opção de compra de 81% que a francesa Covéa detinha em negócio conjunto ( jv – joint venture ) de seguros de Vida ( Bipiemme Vita) por um montante de 310 milhões de euros, revelou a instituição italiana em comunicado.


Antecipando exercício do direito de aquisição da parte que não lhe pertencia nesta jv , uma opção prevista para final de 2023, o banco italiano cumpre objetivo de reorganizar as áreas de gestão de ativos e crédito ao consumo e de deter maioritariamente o negócio segurador, para ter controlo dos lucros. Após a conclusão da transação, o Banco BPM ainda contabilizará um dividendo especial de 120 milhões de euros vindos da seguradora onde passa a ser maioritário, desenvolve o comunicado.


A transação , que está sujeita à aprovação das autoridades italianas e que a mútua francesa espera para julho de 2022, espelha a estratégia da Covéa de reorientar a maior parte das suas atividades internacionais em torno da Covéa Insurance, no Reino Unido, e fazer do resseguro (através da recentemente adquirida Partner Re) a principal alavanca de desenvolvimento industrial no estrangeiro , explica por seu lado a seguradora francesa. Ao longo dos dez anos da parceria, a colaboração Covéa-Banco BPM permitiu um desenvolvimento significativo de atividades, que totalizaram cerca de 912 milhões de euros de volume de negócios em 2021, ou seja, um crescimento de 73% desde 2011.


Entretanto, depois de em março ter sido notificada (pela Covéa Coopérations) sobre a projetada aquisição da PartnerRe Ltd, companhia internacional de resseguro sediada na Bermuda e até então detida pela Exor NV (holdng da família Agnelli), a Comissão Europeia decidiu dar luz verde à aquisição, após um procedimento simplificado de análise a operações de concentração.


A Covéa – que em França consolida entre outras as seguradoras Maaf, MMA e a GMF – c ontabilizou 19,06 mil milhões de euros em volume de prémios adquiridos em 2021 (+14,7% do que em 2022), sendo que 10% do valor foi gerado no negócio internacional, revelam números da mutualista presidida por Thierry Derez, sem detalhe sobre repartição geográfica da receita internacional.


Potenciais interessados na compra do negócio segurador do Banco BPM.


Terceiro maior grupo bancário em Itália, o Banco BPM passou a ter o Crédit Agricole na sua estrutura acionista há pouco mais de uma semana. O grupo francês que opera em seguros através da CA Assurances (presente em Portugal através da ex-GNB Seguros, agora Mudum), adquiriu 9,18% do capital do Banco BPM, tornando-se maior acionista da entidade italiana num movimento explicado sobretudo pelo interesse na área de crédito ao consumo.


Com a entrada do Agricole no Banco BPM voltaram rumores sobre possível venda ou fusão de atividades do grupo italiano . Segundo fontes da Bloomberg , a AXA colocou-se na corrida e estará em negociações preliminares para aquisição das operações de seguros do BPM, avaliadas em 1,5 mil milhões de euros . A imprensa francesa adianta também que, prevenindo investidas de eventuais concorrentes, o Crédit Agricole já terá assumido a dianteira na corrida , com aquisição dos 9,18% de capital que comprou através de operações no mercado e de um lote transacionado junto de um investidor internacional de primeira ordem.


Um ano depois de ter acordado a compra do banco regional Credito Valtellinese (Creval), por 855 milhões de euros, o Agricole olha para a Itália, onde gera cerca de 15% da receita anual, como um segundo mercado doméstico . O seu novo participado (Banco BPM) conta quatro milhões de clientes, uma rede de 1 400 balcões e emprega cerca de 22 mil pessoas.


Assine o ECO Premium.


No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.


De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.


Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.


Defesa de Vale e Azevedo alega que processo para julgamento já prescreveu.


Lusa 18 Abril 2022.


Defesa de Vale e Azevedo diz que o processo-crime em que o tribunal ainda não conseguiu notificar o antigo presidente do Benfica já prescreveu, sublinhando que "já passaram 18 anos" sobre os factos.


A advogada de João Vale e Azevedo considerou esta segunda-feira que o processo-crime em que o tribunal ainda não conseguiu notificar o antigo presidente do Benfica já prescreveu, sublinhando que “já passaram 18 anos” sobre os factos em causa.


Luísa Cruz defendeu, em declarações à Lusa, que o processo “já prescreveu, completamente”, embora reconheça não ter sido esse o entendimento do Ministério Público (MP) e do Tribunal da Relação de Lisboa.


As afirmações da advogada de defesa surgem no dia em que o jornal Público noticiou que o julgamento de Vale e Azevedo, marcado para terça-feira, foi adiado pela quarta vez, em virtude de o arguido, a residir no Reino Unido, ainda não ter sido notificado. O antigo presidente do Benfica e advogado está acusado neste processo de crimes d e burla qualificada e de falsificação de documento autêntico.


Justiça liberta bens à guarda de Vale e Azevedo.


Segundo a advogada, a defesa interpôs no passado recursos para o Tribunal da Relação a invocar a prescrição do processo, mas os todos os requerimentos foram rejeitados. “ Já houve recursos a pedir a prescrição para a Relação e foram rejeitados. Hou ve várias decisões e quer as justificações do MP e do Tribunal da Relação para considerar que não havia prescrição utilizaram argumentos diferentes. Entenderam que não havia prescrição, umas vezes por um motivo, outras vezes por outro”, referiu.


“Desde a data dos factos houve uma interrupção do prazo (de prescrição) na altura em que o constituíram (Vale e Azevedo) arguido e, tendo em conta o tipo de crime e os factos, já passaram 18 anos”, disse Luísa Cruz, que considerou que já foram ultrapassados todos os prazos.


A advogada salientou que este processo foi separado de um outro processo principal que envolvia a mulher do antigo presidente do Benfica e dois outros arguidos e que foi declarado prescrito pela Relação de Lisboa.


Luísa Cruz recordou que Vale e Azevedo estava a cumprir pena na prisão da Carregueira quando foi feito um pedido de alargamento da extradição que tinha sido realizada pelo Reino Unido, para que o antigo dirigente benfiquista pudesse ser julgado em outros processos-crime, um dos quais o que foi agora adiado “sine die”.


“Na altura foi apreciado pelo tribunal inglês esse pedido de ampliação (da extradição) e foi considerado que não era concedido”, disse a advogada, notando que o tribunal britânico entendeu que “não se justificava que, ao longo do tempo, não tivesse sido pedido tudo o que havia para pedir”.


Confrontada com a eventualidade de a justiça portuguesa poder vir a emitir um mandado de detenção internacional ou a formular um novo pedido de extradição de Vale e Azevedo, a advogada contrapôs que isso terá que ser devidamente fundamentado por quem o faz e que isso será necessariamente apreciado pelas autoridades britânicas, que anteriormente já negaram o pedido de ampliação da extradição.


Hoje, o jornal Público revela que houve atrasos na entrega das traduções da documentação necessária para a carta rogatória, bem como no acesso a novo sistema de comunicações com autoridades inglesas, o que deixa ainda sem previsão o início do julgamento deste processo em que a acusação a Vale e Azevedo remonta a 2012.


Assine o ECO Premium.


No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.


De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.


Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.


Grupo Baloise sofre ciberataque com efeitos nos mediadores.


ECO Seguros 18 Abril 2022.


Grupo suíço de banca e seguros indicou que não foram roubados dados de empresas ou clientes, nem foram encriptados quaisquer sistemas, mas o incidente afetou subsidiária alemã.


O grupo Baloise foi alvo de um ataque cibernético detetado em partes da sua infraestrutura informática, principalmente os sistemas da companhia na Alemanha . “Não foram roubados dados de empresas ou clientes, nem foram encriptados quaisquer sistemas”. Os sistemas infetados “foram identificados e isolados,” sendo que o incidente está a ser tratado em conjunto com peritos externos, informou a seguradora em comunicado.


Devido às medidas defensivas, “ os funcionários e clientes na Alemanha estão atualmente a sofrer restrições parciais na utilização dos nossos serviços e infraestruturas de TI” , explica um comunicado datado de 11 de abril no website da seguradora. A Baloise admitiu ainda que “poderia haver mais restrições temporárias nas transações de serviços envolvendo a Basler Deutschland,” nomeadamente nos canais de vendas e mediadores ligados do grupo no mercado germânico.


No final de março passado, o grupo segurador (detido pela Baloise Holding AG) apresentou r esultados anuais, indicando 9,59 mil milhões de francos suíços (cerca de 9,4 mil milhões de euros ao câmbio corrente) em volume de negóci os, mais 7,4% face ao consolidado em 2022, uma evolução que beneficiou da aquisição da belga Athora.


No ano em que concluiu o plano estratégico “ Simple Safe” (2022-2021), o volume bruto de prémios de seguro do grupo Baloise ascendeu a 7,41 mil milhões de francos (+3% em Vida , para 3,39 mil milhões e +6,2% em não Vida , para 4,06 mil milhões de francos), apontando crescimento de 5,4%. O relatório com balanço de 2021 indica lucros líquidos cresceram 35,5%, até 588,4 milhões de francos e o resultado operacional avançou 19,9%, até aos 723 milhões de francos.


A unidade suíça ( Baloise Switzerland ) fechou exercício a contribuir com 584,6 milhões de francos de lucros (antes de impostos e amortizações) para o resultado do grupo e um rácio combinado de 89,2% .


Fundada em 1863 , em Basileia (na Suíça), inicialmente uma companhia de seguros contra incêndio (Basler Versicherungen), a Baloise é atualmente um grupo de seguros e previdência ativo na prestação de serviços financeiros (banca e seguros), com presença no mercado suíço e em outros países como Bélgica, Alemanha e Luxemburgo e cerca de 8 mil pessoas ao serviço.


https://eco.sapo.pt/2022/04/18/grupo-baloise-sofre-ciberataque-com-efeitos-nos-mediadores/ Copiar.


Assine o ECO Premium.


No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.


De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.


Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.


Banco Mundial corta estimativa de crescimento global para 3,2% este ano.


ECO 18 Abril 2022.


O Banco Mundial reviu em baixa a estimativa de crescimento da economia global de 4,1% em janeiro para 3,2%, por causa dos impactos negativos da guerra na Europa.


A economia mundial deverá crescer 3,2% este ano, segundo a última estimativa do Banco Mundial. Trata-se de uma significativa revisão em baixa face à previsão de 4,1% que o organismo fez em janeiro, segundo a Bloomberg .


Este crescimento esperado compara com a expansão de 5,7% registada no ano passado. O Banco Mundial atribui a revisão em baixa a um menor otimismo com as perspetivas para a Europa e Ásia central , uma região onde se insere a Rússia e a Ucrânia, nota a agência.


Putin declara que política de sanções do ocidente fracassou.


Assim, à luz da guerra na Europa, o Banco Mundial anunciou esta segunda-feira que está em discussão um pacote de ajuda aos países no valor de 170 mil milhões de dólares . O plano, maior do que o pacote de ajuda relacionado com a pandemia, cobrirá o período de abril de 2022 a junho de 2023, mas 50 mil milhões serão desembolsados nos primeiros três meses.


O Banco Mundial é uma instituição financeira internacional que providencia empréstimos e subsídios aos países de baixos e médios rendimentos. Está sediado em Washington, nos EUA.


Assine o ECO Premium.


No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.


De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.


Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.


Iniciativa Liberal volta a promover desfile próprio no 25 de abril.


Lusa 18 Abril 2022.


A Iniciativa Liberal (IL) volta este ano a comemorar o 25 de Abril com um desfile próprio, que inclui a descida da Avenida da Liberdade, em Lisboa, considerando que “a liberdade não tem donos”.


A Iniciativa Liberal (IL) volta este ano a comemorar o 25 de Abril com um desfile próprio, que inclui a descida da Avenida da Liberdade, em Lisboa, considerando que “a liberdade não tem donos”.


Em 2021, após uma semana de polémica com a comissão promotora do desfile comemorativo do 25 de Abril de 1974 na Avenida da Liberdade e depois de uma recusa inicial de poder integrar este momento, a IL promoveu o seu próprio desfile para comemorar a Revolução dos Cravos.


Este ano, e de acordo com um comunicado enviado à Lusa, o partido liderado por João Cotrim Figueiredo anuncia que “volta a celebrar o 25 de Abril com desfile próprio” .


“A Iniciativa Liberal sempre considerou que as Celebrações do 25 de Abril não são exclusivas dos partidos de esquerda nem das suas organizações satélite. A Iniciativa Liberal comemora o 25 de Abril desde a sua fundação, a data que iniciou o processo de transição para uma democracia em Portugal e que se concluiu a 25 de Novembro 1975”, refere.


Os liberais recordam que, o ano passado, “perante a tentativa de impedir a Iniciativa Liberal de participar nas comemorações, o partido organizou um desfile próprio que levou à Avenida da Liberdade mais de 500 liberais”.


“Até à data uma das maiores presenças da Iniciativa Liberal na rua, o que deixou sem argumentos e totalmente rendidos perante a nossa determinação todos os que, no dia da Liberdade, nos quiseram fora das comemorações” , considera.


A IL reitera ainda que a “liberdade não tem donos” e que “a rua não tem donos”.


“Perante uma guerra na Europa, em que a Ucrânia foi vítima de um ataque cobarde e criminoso por uma Rússia imperialista, os que se acham donos da Liberdade deixaram, ainda mais evidente, que não gostam da democracia liberal, não gostam do nosso modo de vida em Liberdade, não gostam da abertura de fronteiras, da tolerância, da Liberdade de expressão, da Liberdade política, da Liberdade económica, da Liberdade de cada um prosseguir o seu projeto de vida, de ter direito às suas escolhas e ao que é seu”, defende.


Assine o ECO Premium.


No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.


De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.


Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.


Inflação em Angola aumentou para 27% em março.


Lusa 18 Abril 2022.


A inflação em Angola aumentou para 27% em março na variação face ao mesmo mês de 2021, registando igualmente uma subida de 1,56% relativamente à registada em fevereiro deste ano.


A inflação em Angola aumentou para 27% em março na variação face ao mesmo mês de 2021 , registando igualmente uma subida de 1,56% relativamente à registada em fevereiro deste ano, divulgou o Instituto Nacional de Estatística de Angola (INE).


“A variação homóloga situa-se em 27,00%, registando um acréscimo de 2,24 pontos percentuais em relação à observada em igual período do ano anterior (março de 2021)”, lê-se na nota divulgada esta segunda-feira em Luanda, que aponta que “comparando a variação homóloga atual com a registada no mês anterior verifica-se uma desaceleração de 0,28 pontos percentuais”.


Em comparação com o mês anterior, o índice de preços “registou uma variação de 1,56%, de fevereiro a março de 2022” e, aponta-se ainda na referida nota, “comparando as variações mensais (fevereiro a março de 2022) regista-se uma desaceleração de 0,21 pontos percentuais ao passo que, em termos homólogos (março de 2021 a março de 2022), regista-se uma desaceleração na variação atual de 0,22 pontos percentuais”.


De acordo com o INE de Angola, “a classe ‘Alimentação e bebidas não alcoólicas’ foi a que mais contribuiu para o aumento do nível geral de preços, com 1,02 pontos percentuais durante o mês de março, seguida das classes ‘Bens e serviços diversos’ com 0,10 pontos percentuais, ‘Mobiliário, equipamento doméstico e manutenção’ e ‘Vestuário e Calçado’ com 0,07 pontos percentuais cada e ‘Saúde’ e ‘Transportes’ com 0,06 pontos percentuais cada”.


Todas as outras classes contribuíram em menos de 0,06 pontos percentuais para a subida dos preços.


https://eco.sapo.pt/2022/04/18/inflacao-em-angola-aumentou-para-27-em-marco/ Copiar.


Assine o ECO Premium.


No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.


De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.


Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.


Boston Consulting Group cria hub para integrar talento ucraniano. Planeia abrir 8.000 vagas até final do ano.


Joana Nabais Ferreira 18 Abril 2022.


Ao mesmo tempo, a BCG dá apoio à crise humanitária com iniciativas como a "Unterkunft-Ukraine", que já proporcionou mais de 360 mil camas para refugiados neste país.


A Boston Consulting Group (BCG) lançou um hub virtual para profissionais ucranianos, que pretende facilitar o acesso a vagas em diferentes funções na organização , incluindo nos serviços de consultoria e nas áreas de especialidade, como a BCG GAMMA, BCG Digital Ventures ou a BCG Platinion. A nível mundial, a consultora planeia contratar 8.000 refugiados vindos da Ucrânia , sabe a Pessoas.


McDonald’s tem 230 vagas para refugiados ucranianos.


“A BCG planeia contratar cerca de 8.000 pessoas a nível mundial em 2022. Muitas destas funções estão atualmente abertas e a consultora encoraja os ucranianos deslocados pela invasão a contactar a BCG através do hub de talentos”, esclarece fonte oficial da empresa à Pessoas.


O hub virtual, que pode ser consultado aqui, pretende ligar o talento ucraniano aos recrutadores da Boston Consulting Group para a sua integração na empresa.


“A deslocação de pessoas, resultante da invasão russa à Ucrânia, exige que o setor privado intervenha para fazer parte da solução. Consideramos importante para a BCG proporcionar oportunidades de trabalho aos profissionais ucranianos, nos países onde estão agora estabelecidos”, diz Christoph Schweizer, CEO global da BCG, citado em comunicado.


A deslocação de pessoas, resultante da invasão russa à Ucrânia, exige que o setor privado intervenha para fazer parte da solução.


Christoph Schweizer CEO global da BCG.


Ao mesmo tempo, a BCG dá apoio à crise humanitária com iniciativas em toda a empresa, incluindo projetos como o “Unterkunft-Ukraine”, que, em parceria com o Ministério Federal do Interior Alemão, já proporcionou mais de 360 mil camas para refugiados neste país , e a iniciativa “UA SOS”, na Polónia, com o mesmo objetivo.


A BCG colabora ainda com ONG e parceiros de impacto social para desenvolver modelos de fluxo de refugiados e coordenar esforços para a distribuição e apoio na linha da frente. Além disso, a empresa lançou um programa de angariação de fundos à escala global e comprometeu-se a igualar todas as doações individuais, sem limite máximo, com doações por parte da organização.


Assine o ECO Premium.


No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.


De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.


Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.


Putin declara que política de sanções do ocidente fracassou.


Lusa 18 Abril 2022.


Presidente russo diz que "já se pode dizer com confiança" que sanções do ocidente fracassaram. Afirma que a economia russa "está a estabilizar", enquanto o nível de vida dos europeus está "a descer".


O Presidente da Rússia afirmou esta segunda-feira que a política de sanções do ocidente devido à invasão da Ucrânia fracassou , já que a economia russa “está a estabilizar”, enquanto o nível de vida dos europeus está “a descer”


O objetivo do ocidente era “minar rapidamente a situação financeira e económica do nosso país, causar pânico nos mercados e o colapso do sistema bancário, além de uma enorme escassez de produtos nas lojas”, afirmou Vladimir Putin , durante uma reunião com membros do Governo sobre a situação económica do país.


Putin assegurou, no entanto, que “já se pode dizer, com confiança, que essa política relativa à Rússia falhou , que a estratégia de guerra-relâmpago económica falhou”.


Segundo garantiu, as sanções tiveram impacto nos próprios países que as promoveram, em termos de “aumento da inflação e de desemprego, de deterioração da dinâmica económica nos Estados Unidos e nos países europeus, de descida do nível de vida dos europeus e de desvalorização das suas economias”.


“A Rússia resistiu a essa pressão sem precedentes. A situação está a estabilizar, a taxa de câmbio do rublo voltou aos níveis da primeira quinzena de fevereiro e é sustentada por uma balança de pagamentos objetivamente forte”, disse Putin.


No primeiro trimestre, adiantou, o excedente da conta corrente do balanço de pagamentos ultrapassou os 58 mil milhões de dólares (53,7 mil milhões de euros), o que constitui “um recorde histórico”. Desde que a Rússia lançou a campanha militar na Ucrânia, o rublo caiu quase 30% em relação ao dólar e ao euro, uma queda que já não acontecia desde pelo menos 1993 e 1994.


Na opinião de Putin, a inflação “está agora a estabilizar” , apesar de os preços ao consumidor terem aumentado 9,4% em apenas um mês e meio (até 8 de abril), para 17,5%, relativamente ao período homólogo do ano passado.


Da mesma forma, “ as divisas estão a voltar ao sistema bancário do país e o volume de depósitos dos cidadãos está a crescer”, tendo melhorado 1,6% nos primeiros 10 dias de abril, segundo disse hoje a governadora do Banco Central russo, Elvira Nabiullina.


Putin adiantou ainda que o número de desempregados continua relativamente baixo , sublinhando o facto de, segundo garantiu, haver bons indicadores sobre a utilização da eletricidade produzida.


De acordo com dados de 30 de março, divulgados pela agência federal de estatísticas Rosstat, o desemprego na Rússia caiu de 4,4% em janeiro para 4,1% em fevereiro, relativamente aos mesmos meses do ano passado, o que representa o valor mais baixo desde 1991, embora ainda não haja dados do mês passado (março), quando muitas empresas internacionais suspenderam as suas atividades no país ou deixaram o mercado russo no cumprimento das sanções económicas impostas pelos países ocidentais.


De acordo com declarações avançadas esta segunda-feira pelo presidente da Câmara de Moscovo, Sergei Sobyanin, cerca de 200.000 pessoas (só na capital) podem perder os seus empregos devido ao fecho de empresas estrangeiras. No final de março, Sobyanin disse que cerca de 300 empresas internacionais já fecharam atividade na capital russa desde o início da operação militar na Ucrânia, a 24 de fevereiro.


Quanto ao consumo, o Presidente considerou que, “depois de um breve boom de vários produtos, que acontece sempre nestas situações, a procura nas lojas voltou ao normal”.


Putin pediu ainda ao Governo que acelere a transição dos contratos de comércio internacional para rublos e para as moedas dos países considerados “parceiros confiáveis”.


A ofensiva militar lançada pela Rússia na Ucrânia já matou mais de dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior. A guerra causou a fuga de cerca de 12 milhões de pessoas, mais de 5 milhões das quais para os países vizinhos. A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.


https://eco.sapo.pt/2022/04/18/putin-assegura-que-politica-de-sancoes-do-ocidente-fracassou/ Copiar.


Assine o ECO Premium.


No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.


De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.


Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.


Madoquapower 2X investe 1,3 mil milhões em Sines.


António Costa 18 Abril 2022.


Consórcio internacional vai avançar com projeto de investimento na produção de hidrogénio verde e amónia verde em Sines. O anúncio será feito no dia 22 de abril.


O anúncio formal está agendado para o próximo dia 22, e vai ter o Governo em peso. O consórcio internacional Madoquapower 2x vai formalizar o investimento numa unidade de hidrogénio verde e amónia verde na Zona Industrial e Logística de Sines, gerida pela Aicep Global Parques, apurou o ECO junto de duas fontes que estão a acompanhar o projeto. Este será o primeiro grande investimento no hidrogénio e amónia verdes em Portugal.


Estas são as fontes de financiamento à Economia Verde.


Este consórcio é formado por três empresas: A Madoqua Renewables, companhia especializada em desenvolvimento industrial de descarbonização da economia, a Power 2X, uma empresa com sede na Holanda que desenvolve projetos de consultoria e gestão na transição climática, e a CPI (Copenhagen Infrastructure Partners), uma sociedade que gere um fundo de investimento em projetos industriais na transição climática e nas energias renováveis.


A reserva do direito de superfície na zona industrial de Sines foi realizada em março e o projeto, classificado como Projeto de Interesse Nacional (PIN) será anunciado já próxima semana. “ O Projeto dará um contributo significativo para cumprir as ambições do Plano Nacional do Hidrogénio Verde e para entregar amónia verde a compradores europeus: Agricultores e indústria “, lê-se numa nota-síntese a que o ECO teve acesso. De acordo com a informação dos promotores, o hidrogénio poderá ser usado nas redes existentes e a amónia verde será transportada por ‘pipeline’ para o Porto de Sines com destino à exportação.


Quais são os números do projeto?


O ECO questionou por email os promotores do projeto, mas não obteve ainda nenhuma resposta. Os detalhes do investimento serão divulgados no próximo dia 22, mas segundo revelou ao ECO uma fonte governamental, este projeto não beneficiará de subsidiação pública no âmbito da Estratégia Nacional do Hidrogénio Verde. Neste plano, aprovado em 2022, está previsto um “ mecanismo de apoio, transparente e concorrencial, à produção de hidrogénio verde com o objetivo de apoiar a produção de hidrogénio verde no período 2022 -2030 através da atribuição de um apoio que cubra a diferença entre o preço de produção do hidrogénio verde e o preço do gás natural no mercado nacional, que não terá tradução nas tarifas pagas pelos consumidores “.


No entanto, outra fonte governamental garante ao ECO que este projeto avançará, com ou sem este mecanismo de subsidiação. “ Parte significativa da amónia verde é para exportação, por isso não é elegível para este mecanismo, que se destina a apoiar a indústria e transportes nacionais no processo de descarbonização”. Acresce que os leilões a que este mecanismo se refere têm como destinatário os consumidores finais e não os produtores, sendo, assim, um mecanismo indireto, e não direto, de apoio aos produtores”.


Já depois da publicação desta notícia exclusiva, o consórcio enviou um comunicado à Lusa com mais detalhes do projeto. “ A eletricidade para o MadoquaPower2X será obtida a partir de projetos de geração renovável em Portugal, em particular através de comunidades de energia renovável com parques eólicos e solares que serão desenvolvidas em paralelo ”, indicou o consórcio.


Este investimento irá assegurar “contribuições significativas para a Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2) até 2030”, garantindo “25% da capacidade total de eletrólise prevista”, reforçaram. “Portugal está estruturalmente bem posicionado para desempenhar um papel de liderança no espaço emergente de transição energética na Europa”, destacou o presidente executivo da empresa portuguesa Madoqua, Rogaciano Rebelo, citado no comunicado.


Também o sócio fundador da Power2X, Occo Roelofsen, considerou que o desenvolvimento deste “ projeto bandeira ” vai permitir “ acelerar a transição energética na Europa e contribuir significativamente para o objetivo ‘net-zero’ [compromisso de reduzir as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera] de 2050 ”.


O projeto Madoquapower 2X é um dos mais relevantes já projetados para Sines. Há dias, no âmbito da discussão do Programa de Governo, o ministro da Economia, António Costa Silva, defendeu as virtudes de Sines. “ Sines pode ser um dos grandes polos de desenvolvimento do país para o futuro, podemos ter em Sines não uma, mas duas ‘Autoreuropas’ no futuro “, afirmou o ministro.


Recentemente, o presidente da Aicep Global Parques, Filipe Costa, revelou em entrevista os projetos para Sines. “ Neste momento, excluindo investimento público, os dados somados de projetos em curso, confirmados e potenciais — muitos em que ainda concorremos com outras geografias — ascendem a 17 mil milhões de euros. Temos, por exemplo, a duplicação do atual terminal de contentores e futuro segundo terminal, em que só na componente privada são 940 milhões. No vertical que referia de tecnologia — o Sines TechInnovationand Data Centre Hub –, a perspetiva no horizonte 2030, é de 3.555 milhões em projetos de estações de amarração de cabos marítimos de telecomunicações e centros de processamento, computação e armazenamento de dados. E no outro vertical, o que chamamos Energia Sul, que junta todo o hub energético de Sines com as indústrias intensivas do ponto de vista energético (…) um total perspetivado de 12.679 milhões de euros, dos quais cerca de 5 mil milhões são reinvestimento de empresas já presentes, como Galp, EDP Produção e Repsol Polímeros. Depois há mais 7.500 milhões de investimentos por novos players que estão a olhar para Sines para entrar”, afirmou em entrevista à TSF e Dinheiro Vivo.


( Noticia atualizada às 16h15 com informação de comunicado oficial do consórcio enviado à Agência Lusa ).

Opções binárias na Indonésia